Um rádio e uma cabana: o jogo indie que surpreendeu na PAX

Ainda há muito que não se sabe acerca de Firewatch, mas o pouco já revelado promete uma aventura emocionante envolta em mistério e solidão.

O estúdio indie Campo Santo apresentou na PAX um jogo enigmático, cuja chama se conseguiu destacar perante os restantes na convenção. A acompanhar a sua revelação, um teaser misterioso que lançou os espectadores no corpo e mente de uma personagem desconhecida, claramente em apuros, que, pelos seus próprios olhos, observaram a perder-se pela floresta, a discutir com a voz feminina do intercomunicador e ... a vigiar, perturbado claramente por algo mais do que os incêndios florestais que como se percebe é sua função prevenir.

A seu tempo, os espectadores poderão deixar esse papel, parar de ver pelos olhos de Henry e passar a sê-lo, a dar-lhe vida nesta aventura algures numa floresta do Wyoming. Firewatchacompanha precisamente a sua história, permitindo aos jogadores viver em primeira pessoa a derrocada do escape que Henry pensou conseguir encontrar ao aceitar o trabalho de verão como vigilante.

Enquanto a solidão aperta e a clautrofobia da vasta imensidão de natureza selvagem, Henry vai criando afinidade pela sua supervisora, Delilah, que, do outro lado da linha, se torna num importante sustentáculo de sentido para o homem.

E, lê-se no site oficial, quando algo ainda sem nome acontece que o força a arriscar o desconhecido e a abandonar a segurnaça da torre de vigia, fica nas mãos do jogador guiar o seu destino e fazer as escolhas que o traçarão e determinarão o desfecho desta basilar relação.

Para já, os membros da equipa deixam-nos, numa provocação intecional, apenas com isto, mas prometem "entrar em mais detalhes consoante avancem no desenvolvimento (...) mas sem revelar demasiado". Com datas ainda não se comprometem mas prevêem que o jogo esteja disponível no próximo ano, para PC, Mac e Linux, não descartando, contudo, a possibilidade de arriscar nas consolas.

Tags: jogo